Resultados de futebol ao vivo oferecidos por Futebol.com

Ads Top

Vinícius Júnior: "Vestir a camisa do Real Madrid não tem preço"

Jogador brasileiro integrará o elenco madridista na pré-temporada

Atacante recebeu jornalista do MARCA em sua casa.
Foto: MARCA/Adilio Junior
Vinícius Júnior, como todos já sabem, é jogador do Real Madrid e se apresentará ao clube em julho, para dar pontapé à temporada 2018/2019. O jovem atleta foi entrevistado pelo jornal MARCA, veículo mais ligado ao clube merengue no mundo, onde falou sobre absolutamente tudo. Reproduzimos aqui a entrevista exclusiva do tablóide espanhol; confira.

Como foi seu último ano no Flamengo e no Rio de Janeiro depois de saber que irá ao Real Madrid?
"Foi um ano em que ganhei minutos, aprendi muito e fui titular no Campeonato Brasileiro e na Libertadores. É algo inexplicável para minha idade e também para minha formação. Todos os profissionais do Fla me ajudaram muito."

Pesa para sua cabeça saber que vale 45 milhões de euros com pouca idade?
"Nunca penso no dinheiro, penso em jogar, em me divertir e em dar orgulho para a equipe que estou defendendo."

Apareceram muitas pessoas com interesses após sua negociação astronomica com o clube merengue?
"Sempre aparecem, mas meu pai e minha família me protegem de tudo, para que eu fique ao lado de quem sempre me apoiou e de quem sempre esteve comigo desde o meu início no futebol."

Como você descreveria  sua terra natal São Gonçalo, que é uma cidade muito humilde do Rio?
"É um lugar muito humilde. Ali sempre estive jogando bola com meus amigos na rua e só ia para casa para dormir. Pude ir para a capital e trazê-los comigo, junto com minha família. Poder dar uma vida melhor para todos eles não tem preço."

Além de jogar futebol, você também gostava de soltar pipa. O que lembra da sua vida antes de tudo isso?
"Jogava bola, soltava pipa, tudo o que outras crianças faziam, eu era muito feliz."

Como os psicológicos do Flamengo te ajudaram? O que te disseram?
"Havia um projeto para mim. Sempre falei com o psicológo, pelo menos um dia na semana. Ajudou-me bastante. Convenceram-me de que todo o plano que o Fla elaborou seria bom para mim. Sempre confiei neles, nos mais velhos e mais experientes."

Tem medo de não alcançar as expectativas que têm sobre você?
"Não. Sei o meu potencial, sei até onde posso chegar. Apenas tenho de trabalhar muito, continuar como fiz até agora no Flamengo. Tenho certeza que Deus vai me honrar."

Você sai do Flamengo que é o time mais amado e, ao mesmo tempo, o mais odiado do Brasil. Vai para o Real Madrid, que é o mesmo na Espanha. Sente pressão por isso?
"Não, quem sai da base do Flamengo está acostumado com a pressão. Ter jogado na base do Brasil também ajuda bastante. Conforme vai passando o tempo, vou evoluindo e aprendendo a lidar com esta pressão e responsabilidade. Sei que o Real Madrid é um clube diferente, um dos maiores do mundo. Sairei do maior do Brasil para o maior da Espanha. Vestir a camisa do Real Madrid não tem preço." 

Você sofreu com o racismo algumas vezes no Brasil. Tem medo de repetir na Espanha?
"Não, nem vejo muito isso. Meu tio é quem mais vê essas coisas. Tento ver o mínimo do que dizem na internet, para focar no meu futebol. A única coisa que vejo são vídeos dos jogadores dos quais me inspiro."

Como foi sua primeira viagem para Madri para conhecer o clube?
"Fiquei quatro dias na cidade e conheci um pouco um clube. Apenas meus pais e meus representantes haviam ido. Conheci o CT, falei com alguns jogadores e fiz um Tour no Santiago Bernabéu."

O que mais te impressionou?
"Tudo. O que é o clube por dentro, tudo o que tem de bom para oferecer aos jogadores. Estar no Bernabéu é algo que sempre sonhei e em breve espero estar em campo."

O que mais te assusta nesta nova vida em Madri
"Só a saudade do Brasil e de meus amigos. Ademais, ali estão as melhores coisas."

Já sabe onde viverá? Já tem casa?
"Não, minha família está resolvendo isso."

Do que mais sentirá falta do Rio de Janeiro?
"O Rio é minha casa. Sol, praia, que eu gosto bastante, estar próximo de meus amigos. Infelizmente não poderei levar todos para Madri, mas sempre que eu tiver tempo irei visitá-los."

Sabe desde quando você acompanha o Real Madrid?
"Não, mas sei que faz muito tempo."

Dizem que já tinham assinado com você com 12 anos. É verdade isso?
"Mais ou menos. Calafat (emissário madridista) sempre me acompanhou e depois de um tempo conseguiu me levar para o maior clube do mundo."

É verdade que haviam mais outros clubes interessados em você?
Sim, é verdade. PSG, Barcelona, entre outros, sempre estiveram em contato conosco. Ao final, esperamos o momento certo e o time certo."

Quando você decidiu pelo Real Madrid, qual foi a sua sensação?
"Alegria. Senti que estava realizando meu sonho de criança, que estava indo a um clube que todos jogadores desejam ir. Os melhores estão no Real Madrid. Não consigo nem explicar a minha felicidade ao assinar com o Madrid."

O que você sabia do clube? Qual era a sua imagem sobre?
"Que tinha muitos títulos e de que jogadores brasileiros jogaram lá, como Ronaldo, Roberto Carlos, que deram muitas alegrias do Real Madrid e que eram ídolos da torcida."

Mudou algo na sua cabeça quando pisou pela primeira vez no Santiago Bernabéu?
"O estádio me impressionou muito. Fomos a uma partida, mas a visita também me impressionou muito. Fizemos um Tour, e fiquei ainda mais impressionado."

O jogo que você viu foi o 'El Clásico' em que o Madrid acabou perdendo. O que lembra desse dia?
"Estive ao lado de alguns que dão azar (risadas). Meu tio e meu empresário dão azar (risadas)."

Então você pede para que eles não vão ao estádio quando você joga?
"Quando eu jogo é diferente, mas se for só para assistir meus companheiros, melhor não (risadas)."

Já sabe a diferença entre madridista e madrilenho?
"Não."

Teve uma camisa do Real Madrid antes de assinar?
"Apenas quando assinei. Calafat me presenteou."

Com quem do elenco você tem mais vontade de jogar?
"Cristiano Ronaldo, Marcelo... com todos."

Outros jogadores do Madrid também vivem ótima fase, como Asensio, Lucas Vázquez e Isco. O que mais te impressiona neles?
"A qualidade. Asensio eu acompanho sempre, espero que tenha sucesso, marquei muitos gols no meu tio com ele no vídeo-game (risadas). É um fora de série, que daqui um tempo estará lutando pela Bola de Ouro."

Já imagina dando assistências para Cristiano Ronaldo?
"Sim, sim, já imaginei muitas coisas e agora estou ainda mais ansioso para chegar este momento."

Rodrygo é outro jovem que irá para o Real Madrid. Como você o vê?
"Conheço-o desde 2015, quando jogamos um campeonato juntos. Sempre soube que era diferente. Com o tempo evoluiu ainda mais e chegou em um grande nível. Com a idade que tem, creio que será um excelente jogador."

Falou com ele após a negociação com o Madrid?
"Conversei antes para que ele fechasse com o Real Madrid. Estava ansioso para que ele fechasse conosco, ele fez isso e escolheu o certo."

Como é Rodrygo?
"É um fenômeno que Deus escolheu também. Será uma honra jogar com ele daqui um tempo. Sempre me acompanhou, sempre quis meu sucesso, e acredito que é um pouco meu fã também (risadas). Sempre me acompanhou na base, mandava-me mensagens parabenizando-me. Eu também quero que ele vá bem, porque é um jogador que tem as minhas características e será um prazer representar o Real Madrid ao seu lado. Sonho em fazer história com ele no Madrid e na Seleção Brasileira também."

Como você viveu a instabilidade de treinadores no Flamengo?
"Tentei aprender com todos, pegar um pouco a experiência de cada um porque têm características completamente diferentes. Com Zé Ricardo joguei desde a base. Ele me ajudou muito no começo da carreira. Foi o primeiro a me colocar na equipe principal. Rueda chegou com experiência e com histórico fora do Brasil, nos trouxe muitos conteúdos e novidades. Foi um grande prazer. Carpegiani também me ajudou muito. Ajudou-me a jogar pela direita, o lado que me acostumei a jogar, me ajudou a melhorar. Tanto é que fiz os dois gols contra o Emelec jogando nesta posição. Barbieri está começando agora e será um grande treinador no futuro."

Você tinha um sonho em trabalhar com Zidane, mas ele foi embora. como você recebeu esta notícia?
"Fiquei um pouco triste. Ter um treinador como Zidane deve ser muito diferente. Marcelo me disse que ele é muito simpático e que faz de tudo para conquistar o grupo."

O que você sabe sobre Julen Lopetegui, novo treinador do clube?
"Sei que esteve um pouco nas categorias de base e que ele gosta de jogadores da base. Por enquanto, só isso."

Ele estreou um jogador de 17 anos no Porto. Isso te dá esperanças?
"Sim, muitas. Isso ajuda a mim e a Rodrygo, que chegará com 18 anos."

Acredita que está preparado para jogar no time principal do Real Madrid?
"Não sei, ainda não treinei com eles. Quando eu chegar, tentarei me adaptar o mais rápido possível para fazer parte do elenco."

É verdade que o Real Madrid não pode te emprestar a um time da Europa?
"Não, não é verdade. Isso é algo da imprensa, mas não é assim. O Real Madrid verá o que é melhor para mim, para minha planificação, para evoluir e devolver com técnica tudo o que o clube merece."

Se decidirem te emprestar e pedirem sua opinião, o que você preferiria: voltar para o Flamengo para encerrar o ano ou ir para outro time europeu para ir se acostumando com o futebol do continente?
"Prefiro jogar no Real Madrid, mas eles verão o que é melhor para mim. Se decidirem que é melhor eu ficar no futebol espanhol para me adaptar jogo de lá e ao clima, que é diferente, eu vou aceitar e trabalharei muito para evoluir e voltar o quanto antes."

Você deve ter visto muitas partidas da La Liga também. Quais as diferenças entre o Brasileirão e a La Liga?
"Muitas coisas, até o gramado é diferente. A parte tática é muito diferente. Tem que acompanhar muito o lateral, que no Flamengo é algo que me chama muita a atenção. Eu evolui bastante nisso desde que subi para o profissional. Na Espanha estão os melhores jogadores. Jogar contra e favor dos melhores do mundo, essa é a maior diferença."

Estamos em época de Copa do Mundo. Qual sua lembrança de infância desta competição?
"Não lembro muito, mas sempre vem o gol do Ronaldinho na cabeça." 


Vinícius Júnior: "Vestir a camisa do Real Madrid não tem preço" Vinícius Júnior: "Vestir a camisa do Real Madrid não tem preço" Publicadas por João Victor Sanches em junho 19, 2018 Mais 5